Cor de exibição Tamanho da letra
Glossário - Definições de termos técnicos

BSD

A licença BSD cobre as distribuições de software da Berkeley Software Distribution, além de outros programas. Esta é uma licença considerada "permissiva" porque impõe poucas restrições sobre a forma de uso, alterações e redistribuição do software licenciado. O software pode ser vendido e não há obrigações quanto a inclusão do código fonte, podendo o mesmo ser incluído em software proprietário. Esta licença garante o crédito aos autores do software mas não tenta garantir que trabalhos derivados permanecem como software livre. X.org O Consórcio X distribui o X Window System sob uma licença que o faz software livre mas não adere ao copyleft. Existem distribuições sob a licença da X.org que são software livre, e outras distribuições não o são. Existem algumas versões não-livres do sistema de janelas X11 para estações de trabalho e certos dispositivos do IBM-PC que são as únicas funcionais disponíveis, sem similares distribuídos como software livre. Software em Domínio Público Software em domínio público é software sem copyright. Alguns tipos de cópia, ou versões modificadas, podem não ser livres porque o autor permite que restrições adicionais sejam impostas na redistribuição do original ou de trabalhos derivados.

Copyleft

A maioria das licenças usadas na publicação de software livre permite que os programas sejam modificados e redistribuídos. Estas práticas são geralmente proibidas pela legislação internacional de copyright, que tenta justamente impedir que alterações e cópias sejam efetuadas sem a autorização do/s autor/es. As licenças que acompanham software livre fazem uso da legislação de copyright para impedir utilização não-autorizada, mas estas licenças definem clara e explicitamente as condições sob as quais cópias, modificações e redistribuições podem ser efetuadas, para garantir as liberdades de modificar e redistribuir o software assim licenciado. A esta versão de copyright, dá-se o nome de copyleft.

Debian

A licença Debian é parte do contrato social celebrado entre a Debian e a comunidade de usuários de software livre, e é chamada de Debian Free Software Guidelines (DFSG). Em essência, esta licença contém critérios para a distribuição que incluem, além da exigência da publicação do código fonte. Estes critérios são: (a) a redistribuição deve ser livre; (b) o código fonte deve ser incluído e deve poder ser redistribuído; (c) trabalhos derivados devem poder ser redistribuídos sob a mesma licença do original; (d) pode haver restrições quanto a redistribuição do código fonte, se o original foi modificado; (e) a licença não pode discriminar contra qualquer pessoa ou grupo de pessoas, nem quanto a formas de utilização do software; (f) os direitos outorgados não podem depender da distribuição onde o software se encontra; e (g) a licença não pode "contaminar" outro software. Open Source A licença do Open Source Initiative é derivada da Licença Debian, com as menções à Debian removidas.

GNU

GNU é um sistema operacional com compiladores, editores de texto, programas de e-mail e outros softwares, em uma tentativa de resgatar, segundo o autor, a origem colaborativa que existia anteriormente na comunidade de informática, quando programadores trocavam informações sobre códigos de programa e seus aperfeiçoamentos.

GPL

A Licença Pública Geral GNU (GNU General Public License GPL) é a licença que acompanha os pacotes distribuídos pelo Projeto GNU, e mais uma grande variedade de software, incluindo o núcleo do sistema operacional Linux. A formulação da GPL é tal que ao invés de limitar a distribuição do software por ela protegido, ela de fato impede que este software seja integrado em software proprietário. A GPL é baseada na legislação internacional de copyright, o que deve garantir cobertura legal para o software licenciado com a GPL. (veja também a recém publicada licença CC-GNU GPL [Brasil]).

Shareware

Shareware é o software disponibilizado com a permissão para que seja redistribuído, mas a sua utilização implica no pagamento pela sua licença. Geralmente, o código fonte não é disponibilizado e portanto modificações são impossíveis.

Software Comercial

Software comercial é o software desenvolvido por uma empresa com o objetivo de lucrar com sua utilização. Note que "comercial" e "proprietário" não são o mesmo. A maioria do software comercial é proprietário mas existe software livre que é comercial, e existe software não-livre não-comercial.

Software Proprietário

Software proprietário é aquele cuja cópia, redistribuição ou modificação são em alguma medida proibidos pelo seu proprietário. Para usar, copiar ou redistribuir, deve-se solicitar permissão ao proprietário, ou pagar para poder fazê-lo.

Software Semi-livre

Software semi-livre é software que não é livre, mas é concedida a permissão para que indivíduos o usem, copiem, distribuam e modifiquem, incluindo a distribuição de versões modificadas, desde que o façam sem o propósito de auferir lucros. Exemplos de software semi-livre são as primeiras versões do Internet Explorer da Microsoft, algumas versões dos browsers da Netscape, e o StarOffice. Freeware O termo freeware não possui uma definição amplamente aceita mas é usado com programas que permitem a redistribuição mas não a modificação, e seu código fonte não é disponibilizado. Estes programas não são software livre.

IETF: Internet Engineering Task Force

Uma organização voluntária e aberta à participação de qualquer indivíduo interessado, que lida com normas de internet.

W3C: World Wide Web Consortium

Consórcio internaconal especializado em protocolos e diretrizes para interoperabilidade na Web.

OASIS: Organization for the Advancement of Structured Information Standards

Consórcio internacional, sem finalidades lucrativas, para o desenvolvimento, convergência e adoção de padrões para negócios eletrônicos.

FSG: Free Standards Group

Organização dedicada à promover a aceleração do uso de software livre e aberto, com participação aberta a qualquer interessado.

IEEE: Institute of Electrical and Electronics Engineers

Associação técnica, sem fins lucrativos e aberta, que visa o desenvolvimento de normas abertas sobre tecnologia da informação, telecomnucações e energia.

ISO: International Organisation for Standardisation

Agrupa organizações locais, em todo o mundo, para a promoção de normas abertas sobre os mais variados temas.

MPEG: Motion Picture Experts Group

Subgrupo da ISO para tratar de normas ligadas a imagem, áudio e vídeo.

ITU: International Telecommunication Union

Órgão das Nações Unidas criado para fomentar o desenvolvimento e promover a interoperabilidade entre os meios de comunicação.

TCP/IP: Transmission Control Protocol/Internet Protocol

Um protocolo de duas camadas em que os dados transmitidos são divididos em pequenas partes – os pacotes, que são roteados da origem ao destino, sendo reunidos neste último.

HTTP: Hypertext Transfer Protocol

Protocolo mais amplamente usado para acesso à Web, baseia-se em TCP/IP e consiste num cliente (navegador) buscando uma conexão com um servidor remoto, que irá responder a comandos enviados pelo cliente.

HTML: Hypertext Markup Language

Um formato para especificação de exibição de páginas na internet, envolvendo texto, gráficos e entrada de dados.

SMTP: Simple Mail Transfer Protocol

Protocolo baseado em texto para o envio de emails a um servidor, que os direciona a outros servidores contendo as caixas de correio dos destinatários.

MIME: Multipurpose InternetMail Extensions

Norma que permite associar uma descrição e mecanismos de tratamento a arquivos de tipos diversos, efetivamente possibilitando o envio de arquivos de imagem, áudio, vídeo, documentos etc.

XML: Extensible Markup Language

Um padrão de linguagem para a definição de outras linguagems com marcações (como HTML). Desenhada para descrever a transmissão de dados, também é ideal para seu armazenamento, sendo por isso usada também como base para outros formatos de documentos e protocolos.

OpenDocument

Um formato desenvolvido pela OASIS para armazenar documentos de escritório produzidos por aplicações como planilhas, processadores de textos, geradores de gráficos e apresentações. Originalmente baseado nos formatos da suite Openoffice.org, é atualmente suportado por um número crescente de suítes – entre as quais StarOffice, OpenOffice.org e Koffice.

FSF – Free Software Foundation – Fundação do Software Livre

Uma organização dedicada à divulgação do software livre. Promove diversas iniciativas relacionadas ao sistema operacional livre GNU/Linux (também conhecido como Linux) e advoga o uso da licença GPL, a mais aceita licença de software livre.

Open Software (Software Aberto)

Software cujo fonte pode ser obtido – por exemplo, mediante pagamento, acordo de não-divulgação ou ainda de forma livre, como estabelece a GPL.

Av. Morumbi, 4500 - 1o. andar - sala 126 - CEP 05560-905 São Paulo - SP
Tels. (11) 2193-6876 / 2193-6855 / 2193-6874
SITE DESENVOLVIDO PELA CTIC - Secretaria de Governo do Estado de São Paulo